Quando a mulher decide engravidar, geralmente já passou muita coisa na sua cabeça. Mas o grande motivador quase sempre está associado a formação de uma família e realizar um dos seus maiores sonhos, ser mãe.

Além das dúvidas sobre a gestação, também vem os anseios, os medos de tentar e não conseguir. Uma mulher tentante pode enfrentar muitas dificuldades emocionais. Desde o fato de mês a mês a menstruação continuar vindo e isso acender uma luzinha de alerta na cabeça dela, quanto: “não posso desistir agora, tomei a decisão preciso ir até o fim pra não frustrar ninguém”. Algumas preferem guardar segredo das outras pessoas e contar apenas com o companheiro para apoio. Escondem inclusive que estão pensando em ter filhos, com medo de receber ainda mais informação negativa, exemplos ruins, ao invés de incentivo e ajuda.

O fato é que, dentre todas as dificuldades quando se decide ser mãe, o homem também pode e deve ser presente para cumprir com o seu papel de PAI.

Muito antes do papel do pai na Gestação e na Família com o bebê, vem o papel do pai como homem, como cúmplice e companheiro. Essa cumplicidade deve servir de apoio quando a mulher toma a DIFÍCIL DECISÃO de engravidar (é muito difícil, principalmente quando se está num excelente momento da carreira de trabalho, com liberdade e controle absoluto da vida, condição financeira estável e emocionalmente estabilizada).

O homem deve se comprometer com a decisão da mulher, apoiar e entender que as frustrações virão, mas devem lidar com uma de cada vez. Ouvir, entender, se INFORMAR para continuar servindo de apoio emocional e educacional. Os dois juntos terão muito mais certeza das decisões, do que se tomadas apenas por uma das partes. Então, futuro pai, estufa o peito, assume junto com a mãe o que vocês estão planejando, dê apoio emocional e seja cúmplice. Esteja junto!